MPE recorre e quer pena máxima
31/03/2010 05:03:07 - A Gazeta - MT

O promotor João Augusto Veras Gadelha protocolou na Justiça pedido de majoração da pena de Edson Alves Delfino, 30, condenado a 35 anos e 8 meses pelo abuso sexual, homicídio e ocultação de cadáver do estudante Kaytto Guilherme Nascimento Pinto, 10. A promotoria pleiteia a pena máxima de 43 anos para o réu confesso.


Conforme Gadelha, a pena máxima para Delfino seria o mínimo que a Justiça poderia fazer pela sociedade, dificultando que voltasse às ruas um criminoso "cruel e reincidente". O pedido do Ministério Público Estadual (MPE) é uma tentativa de manter o condenado o maior tempo possível atrás das grades. Gadelha defende ainda a aprovação de uma lei que tramita no Senado que oportuniza a castração química de condenados por estupro e Pedofilia.


O promotor destaca que a ampliação da pena reflete no momento da progressão, que por direito ocorre co m o cumprimento de 2 quintos da pena. "A ideia é mantê-lo preso os 30 anos permitidos por lei".


Para o defensor público Altamiro Araújo, que atuou na defesa do réu, a pena de 35 anos e 8 meses determinada pela juíza Mônica Catarina Perri de Siqueira, na semana passada, já foi bastante exasperada e mais alta que a de costume para crimes semelhantes. "Não vejo porque aumentar, mas é um direito do Ministério Público".


Delfino manifestou o desejo de recorrer e o defensor aguarda a degravação do julgamento para apresentar as razões do recurso.

Exibições: 65

Comentar

Você precisa ser um membro de Casé Fortes para adicionar comentários!

Entrar em Casé Fortes

Download da Cartilha

Adquira a CAMISA da campanha

 

ILOJA VIRTUAL "TODOS CONTRA A PEDOFILIA", por Danusa Biasi

https://linktr.ee/tcpbrasil

Membros

Palestra sobre CRIMES DE PEDOFILIA

Entre em contato:
e-mail:
case@viaceu.com.br
telefone
37.3691.3169
Instagram
@case_fortes

© 2021   Criado por Carlos José e Silva Fortes.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço