No dia de combate à pedofilia, Magno Malta relata avanços obtidos pela CPI


O senador Magno Malta (PR-ES) assinalou a passagem do dia de combate à pedofilia, nesta terça-feira (18). O dia foi escolhido, explicou o senador, por causa do caso Araceli, uma menor que foi raptada, drogada, violentamente morta e carbonizada no Espírito Santo em 1973, crime cujos responsáveis não foram punidos.
O senador afirmou que, no dia anterior, estava com um médico que chorava por não saber por onde começar uma cirurgia de períneo em uma criança de cinco anos de idade.
- Uma menininha de cinco anos, estuprada, rasgada. O médico chorava porque não sabia por onde começar a cirurgia e como costurar aquilo, foi tudo arrebentado numa criança de cinco anos de idade - afirmou o parlamentar.
O senador reafirmou os avanços conseguidos pela Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga crimes de pedofilia, como os termos de ajuste de conduta obtidos junto às empresas Google e Microsoft; e os termos de conduta com as operadoras de telefonia.
- O mundo não tem e nós temos - comemorou o senador, que agradeceu a colaboração à CPI do Ministério Público, da Polícia Federal e da organização não governamental Safernet.
Magno Malta lembrou ter sido também contribuição da CPI a lei que tipifica como crime a posse de material com pedofilia. Lembrou que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva ganhou um prêmio, há um ano, por ter
sancionado a lei. Lamentou que o Brasil seja o maior consumidor de pedofilia na Internet, mercado que movimenta US$ 3 bilhões.
O senador também afirmou comemorar que esteja sendo processado pelo advogado do pediatra Eugênio Chipkevitch, que se encontra preso. De acordo com o senador, ele e o senador Romeu Tuma (PTB-SP) estão sendo processados porque o retiraram Chipkevitch do presídio para uma audiência.
- Para mim, ser processado por um advogado de pedófilo é um troféu, é um orgulho - afirmou.
O representante capixaba disse que o projeto que institui no Brasil a pulseira eletrônica para o controle de detentos deve ser votado ainda esta semana. Segundo ele, a pulseira eletrônica é uma forma de diminuir
a lotação dos presídios. Magno Malta foi apoiado, em apartes, pelos senadores Romeu Tuma, Kátia Abreu (DEM-TO), Eduardo Suplicy (PT-SP) e Marco Maciel (DEM-PE).

Exibições: 104

Comentar

Você precisa ser um membro de Casé Fortes para adicionar comentários!

Entrar em Casé Fortes

Comentário de Fran Vale em 24 maio 2010 às 14:03
Tendo quem lute e quem nos represente no senado com certeza vamos conseguir muitos avanços.

Download da Cartilha

Adquira a CAMISA da campanha

 

ILOJA VIRTUAL "TODOS CONTRA A PEDOFILIA", por Danusa Biasi

https://linktr.ee/tcpbrasil

Membros

Palestra sobre CRIMES DE PEDOFILIA

Entre em contato:
e-mail:
case@viaceu.com.br
telefone
37.3691.3169
Instagram
@case_fortes

© 2021   Criado por Carlos José e Silva Fortes.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço